Conheça também outros projetos da ABIVIDRO:

Lei que dá destino a embalagens e resíduos industrializados não pegou

agosto 10, 2017 Deixe seu comentário »

Lei Nacional de Resíduos Sólidos completou 7 anos, mas faltam acordos. Falta de diálogo com outros setores só agrava o problema dos lixões.

 

Veja neste link o video da matéria:

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/08/lei-que-da-destino-embalagens-e-residuos-industrializados-nao-pegou.html

 

No Brasil, a lei que deveria dar um destino a embalagens e resíduos de produtos industrializados completa, em agosto, sete anos, e ainda não pegou.

Todas as lâmpadas deveriam parar em lugares apropriados para separar o metal, o vidro, substâncias tóxicas, como o mercúrio com segurança. A empresa recicla 300 mil lâmpadas fluorescentes por mês e já instalou uma máquina nova, ainda em testes, para triplicar a capacidade de processamento.

Jornal Nacional: Só falta o pessoal entregar mais lâmpada?

“Com certeza, estamos esperando, preparados”, disse um homem.

A esperança passa pelo acordo fechado com o governo pelo setor de lâmpadas, dentro do que prevê a Lei Nacional de Resíduos Sólidos. Um dos raros acordos em vigor, sete anos depois da lei ter sido sancionada. Ele tem a adesão de 65 empresas e prevê a criação de quase quatro mil pontos de coleta, em todo o país, para ampliar o percentual de reciclagem desse material, que hoje não passa de 5%.

“A nossa meta é de atingir 20% das lâmpadas colocadas no mercado até o ano de 2021”, afirmou o gerente de operações William Wagner Gutierrez.

A falta de acordos com outros setores só agrava o problema dos lixões, que as cidades, pela lei, precisam eliminar. Não há quase nada decidido sobre eletroeletrônicos, medicamentos, embalagens, a chamada logística reversa, em que fabricantes e distribuidores se responsabilizam pela coleta.

“Nós estamos saindo de um sistema irregular, de um sistema inadequado e precário, que mata gente todo ano, e queremos ir para um sistema avançado. Isso tem um custo, que precisa ser justamente remunerado por todos os usuários”, explicou Carlos Silva Filho, diretor executivo da Abrelpe, a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e de Resíduos Sólidos.

Calculando assim, sem exagero, qual o consumo de leite de uma família de quatro pessoas? Um litro por dia? Sete por semana, 30 por mês, em um ano, 365. Esse é o recado que um grupo de ativistas de São Paulo levou para uma empresa responsável por esse montão de vasilhames. Duas representantes foram recebidas. Junto com os sacolões, entregaram uma carta com elogios ao leite. Só ao leite.

“A gente é um consumidor satisfeito com o produto, mas não com a embalagem. Que eles se ocupem efetivamente da reciclagem desse material que eles estão pondo no mercado ou que eles troquem o material por um material menos nocivo ao meio ambiente como o vidro, por exemplo”, declarou a jornalista Carolina Tarrio.

 

Fonte: G1

Publique seu comentário

Posts Relacionados