Conheça também outros projetos da ABIVIDRO:

MASP de Lina Bo Bardi completa 50 anos

novembro 5, 2018 Deixe seu comentário »
Na década de 1960, momento em que se intensificava a verticalização da avenida Paulista com a construção de grandes prédios comerciais, sede de corporações, empresas e bancos, a grande novidade na paisagem foi a construção do MASP, projeto da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (1914-1992).A edificação, que agora completa cinco décadas, foi inaugurada no antigo terreno Belvedere do Trianon, que havia sido demolido, em 1951, e, depois, abrigou o pavilhão temporário da 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Primeiramente instalado na rua 7 de Abril, no centro de São Paulo, o MASP foi transferido oficialmente para a atual sede no dia 7 de novembro de 1968. Com base no uso de vidro e concreto, Lina mesclou em sua arquitetura as superfícies ásperas e sem acabamentos com leveza, transparência e suspensão.

Construção do MASP, década de 1950 - Arquivo do Centro de Pesquisa do MASP
Construção do MASP, década de 1950 – Arquivo do Centro de Pesquisa do MASP
 

O projeto de Lina manteve a vista para o centro, criando entre a parte suspensa e as dependências subterrâneas do museu uma grande esplanada, o Vão Livre – pensado como uma praça pública para uso da população.

© Flagrante / Romullo Fontenelle

© Flagrante / Romullo Fontenelle
 

Para marcar o aniversário do prédio, o museu promoverá, no dia 5 de novembro, o seminário internacional “O MASP de Lina – 50 anos do edifício na avenida Paulista” organizado por André Mesquita, coordenador de mediação e programas públicos do MASP, Adriano Pedrosa, diretor artístico do museu, e Guilherme Giufrida, assistente curatorial. O evento será gratuito, terá tradução simultânea para português e para Libras (Língua Brasileira de Sinais). Os ingressos serão distribuídos duas horas antes do início da programação, na bilheteria do museu.

A discussão será dedicada à arquitetura do edifício, aos impactos do projeto na vida cotidiana da cidade de São Paulo e aos usos sociais e políticos do vão do MASP. O caráter coletivo e a fruição pública definem a arquitetura do MASP, expressando o posicionamento de Lina diante de questões socioculturais e o papel da arquitetura nesse debate. Os espaços amplos, arejados e transparentes do edifício propõem um contato franco não apenas com os frequentadores do museu, mas também com a população que circula na avenida.

O seminário de um dia contará com apresentações de arquitetos, historiadores e curadores nacionais e estrangeiros que discutirão a história do edifício, sua concepção e seus usos nos últimos anos. Também apresentará diálogos entre arquitetos e engenheiros que trabalharam com Lina na construção do prédio e, além disso, entre fotógrafas que realizam ensaios inéditos sobre o prédio. As imagens serão publicadas, junto aos artigos dos palestrantes e outros materiais, em um catálogo com previsão de lançamento para abril de 2019.

O seminário e livro antecedem a exposição Lina Bo Bardi: Habitat que o MASP realizará em parceria com o Museu Jumex (México) e o MCA Chicago (EUA), em 2019, ano que o museu se dedicará ao eixo curatorial histórias das mulheres, histórias feministas.

© Flagrante / Romullo Fontenelle
© Flagrante / Romullo Fontenelle
 

A outra novidade é que, em 2017, o MASP obteve aporte do programa Keeping It Modern, da Fundação Getty, cujo objetivo é desenvolver pesquisas voltadas à conversação de edifícios modernos no mundo. O objetivo do trabalho, completado neste ano, foi estabelecer um plano com diretrizes de conservação e manutenção permanente.

A equipe responsável pelo projeto, coordenada pelo arquiteto Silvio Oksman, da Metrópole Arquitetos Associados, e gerenciada pela gerente de projetos do MASP, Miriam Elwing, é formada pela arquiteta do corpo técnico do Museu, Lúcia Furlan, ao lado de consultores externos das áreas de arquitetura e engenharia e pelo arquiteto Martin Corullon, da Metro Arquitetos, que desde 2015 desenvolve os projetos expográficos e de adequação do edifício, entre esses, a volta dos cavaletes de cristal à pinacoteca do MASP.

Vista interna da pinacoteca do MASP em 1969 - Arquivo do Centro de Pesquisa do MASP
Vista interna da pinacoteca do MASP em 1969 – Arquivo do Centro de Pesquisa do MASP
 

A pesquisa inédita trouxe informações pouco estudadas e que permitem, a partir de agora, atuar com maior segurança na preservação do prédio.

MASP DE LINA 
50 anos do edifício na avenida Paulista

10h-12h 
1a sessão: Contexto e contemporaneidade do edifício do MASP

  • Marina Grinover, arquiteta (Base Urbana)
  • Eduardo Rosetti, professor do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
  • Zeuler de Lima, professor do departamento de Design e Artes Visuais da Sam Fox School, Washington University, EUA
  • Silvio Oksman, arquiteto (Metrópole Arquitetos)

12h15-13h15 
2a sessão: Como fotografar o MASP

  • Nair Benedicto, fotógrafa Dulce Soares, fotógrafa
  • Lucia Guanaes, fotógrafa Luiza Baldan, fotógrafa

14h30-16h 
3a sessão: A construção do edifício do MASP: projeto é processo

  • Roberto Rochlitz, engenheiro
  • Marcelo Suzuki, arquiteto
  • Marcelo Ferraz, arquiteto (Brasil Arquitetura)

16h30-18h30 
4a sessão: O projeto do edifício do MASP e a (pós-)modernidade

  • Guilherme Wisnik, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
  • Barry Bergdoll, professor do departamento de História da Arte da Columbia University, EUA e curador do departamento de Arquitetura e Design do MoMA (Nova York)
  • Olivia de Oliveira, arquiteta, butikofer de oliveira vernay sàrl (Lausanne, Suíça)

Serviço

  • Data e horário: 5/11, das 10h às 18h30
  • Local: MASP Auditório (primeiro subsolo)
  • Endereço: Avenida Paulista, 1578, São Paulo
  • Telefone: (11) 3149-5959
  • Horários: quarta a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); terça-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30)
  • Ingressos seminário: grátis (retirada de ingressos duas horas antes)
  • Ingressos MASP: R$35 (entrada); R$17 (meia-entrada)

Publique seu comentário

Posts Relacionados